Por que devemos falar sobre educação financeira?

educação financeira

Segundo a CNC – Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, 58% das famílias brasileiras estavam endividadas em agosto de 2016. Além disso, neste artigo, Ana Paula Ribeiro mostra que o Brasil está na posição 27 (de 30) quando se trata de educação financeira. E culturalmente, o brasileiro é acostumado a contar com um dinheiro que ainda não tem para satisfazer desejos imediatos e acaba sempre endividado e não conseguindo realizar sonhos. Tudo isso associado à facilidade com que se consegue crédito no Brasil e a Publicidade, temos um cenário de consumo por impulso que leva ao endividamento e às frustrações por não conseguir realizar sonhos grandes como viagens, imóveis, veículos entre outros.

E agora?

Então… é por isso que precisamos falar sobre educação financeira 🙂

E precisamos falar sobre isso desde muito cedo, para que as crianças se tornem adultos financeiramente saudáveis, consumidores conscientes e geradores de riquezas. Segundo a Diretora Pedagógica da DSOP Educação Financeira Luciana Menezes, a educação financeira pode iniciar a partir dos 3 anos de idade com atitudes simples para familiarizar as crianças com realidade financeira da família.

Existem muitas iniciativas por parte de pais, instituições financeiras, escolas e livros que abordam o assunto e já estão buscando mudar o cenário descrito acima. Mas o fato é que os pequenos têm como referência os seus pais, que conforme mostram os números, são pessoas endividadas e consumidores pouco conscientes. A educação financeira precisa estar no dia-a-dia das crianças como parte de sua formação como cidadãos. Iniciativas como mesadas, semanadas e cofrinhos são muito importantes e devem estar inseridos no universo das crianças. Mas ainda mais importante que isso é a criação de objetivos e não apenas o poupar por poupar. Com um objetivo, a criança começa a entender que ela precisa lutar pelo que ela quer ter, assim como acontecerá em sua vida adulta.

Estamos vivendo um momento de crise e devemos aproveitá-lo como uma oportunidade para inserirmos a educação financeira em nossas vidas e principalmente na das crianças. Sem esquecer que você é o exemplo para os seus filhos.