Por que as famílias brasileira estão endividadas?

Como já dito aqui, mais da metade das famílias brasileiras estão endividadas. Mas, por quê?

Vamos falar sobre isso começando pela definição de endividamento, que gera confusão e faz muitas pessoas acreditarem que não são endividadas.

Segundo estudo feito pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), quase metade dos consumidores entrevistados (46,7%) considera que estar endividado é o mesmo que ter contas atrasadas. Um terço (30,6%) acredita que é ter o nome registrado em entidades de proteção ao crédito.

Mas é importante dizer que uma pessoa endividada é aquela que possui parcelas a vencer de compras, empréstimos e/ou financiamentos. Qualquer parcela não vencida faz parte das dívidas de uma pessoa. Isso pode vir desde financiamentos de longo prazo como imóveis e veículos até dívidas de prazos menores como carnês de lojas e cartões de crédito.

Então se você tem um imóvel financiado e/ou fez uma compra de roupas para o fim do ano, parcelou ou usou o crédito daquelas lojas que dizem: “compre agora e comece a pagar daqui a 3 meses”, sim, você é uma pessoa que faz parte das 58% das famílias brasileiras endividadas.

E por que as famílias estão endividadas? Os motivos são basicamente culturais e vem de um histórico de o brasileiro ser acostumado a viver com altos índices de inflação e a parcelar qualquer tipo de compra para viabilizar necessidades e principalmente desejos. As pessoas se habituaram a comprar agora e pagar depois, mesmo que isso signifique pagar altos juros e comprometer um dinheiro que ainda nem existe.

A publicidade vendendo parcelamentos em 10 (ou mais) vezes “sem juros” e que cabem no bolso do cidadão é mais um motivo que estimula o endividamento em troca de realizar desejos no agora e se preocupar em pagar depois. Então a questão cultural, a facilidade de conseguir crédito e a publicidade criando “necessidades” de consumo, criam este cenário propício ao endividamento.

O risco desse comportamento, além dos altos juros que se paga, é criar dívidas de médio e longo prazo e que comprometam a renda mensal e levem à inadimplência e à famosa bola de neve que é quando o cidadão se endivida ainda mais para pagar suas dívidas.

E isso tem solução?
Existem várias formas de sair de endividamentos como conseguir mais trabalhos remunerados, cortar gastos, não usar cartões de crédito, não fazer compras parceladas. Mas o fato é que a mudança precisa ser cultural, porque se o comportamento se mantém, as ações acima citadas serão como analgésicos que servem para cortar sintomas, mas não tratam a doença.

Assim como para ter uma boa saúde é necessário ter bons hábitos alimentares, físicos e psicológicos, na vida financeira é preciso ter hábitos de consumo consciente e estratégico. Hábitos nós adquirimos começando em algum momento. Que tal começar a consumir de forma consciente agora?